Mudanças: Quem Puxa o Gatilho Primeiro, Você ou a Empresa em Que Trabalha?

Muitas pessoas traduzem a palavra MUDANÇA como PROBLEMA. O que você acha disso?

Imagine que você voltou no tempo, está frente a frente com sua empresa em um duelo de dois cowboys no velho oeste. Nestas horas, já tem gente lendo este artigo imaginando se não teria algum papel de coadjuvante, talvez como um cáctus, um cavalo ou um monte de feno. O medo de enfrentar esta situação já faz muita gente ter palpitação ao ler este parágrafo. Se este é o seu caso, acalme-se! Pegue um copo de água com açúcar antes de continuar. Este duelo não vai ser fácil.

É claro que quem está na sua frente (empresa) é mais forte que você, mas o que vale aqui não é a força, mas sim a rapidez. Você sacaria primeiro ou passaria desta para melhor (melhor uma ova, muito pior!)? Se você está mais para encontrar com São Pedro do que ver seu oponente estendido no chão, cuidado!

Não estou fazendo apologia ao crime aqui, não me entendam mal, senão vai ter gente se empolgando e querendo trocar tiros com o chefe. Não é nada disso!

O que eu quero dizer é que você pode fazer algumas coisas de imediato, que podem mudar esta estória. E que outras ações poderão ser iniciadas a curto, médio e longo prazo para mudar a situação atual?

As pessoas acomodadas ou aquelas que ficam esperando os outros decidirem para irem atrás devem começar a exercitar um pouco. Se ainda não está preparado para o duelo, comece jogando dardo em um alvo em casa. Afinal, como diz o ditado de grão em grão é que a galinha enche o papo. Ninguém fica pronto de uma só vez, ninguém se torna um sucesso em um dia. Procure a ajuda de pessoas experientes, seja dentro ou fora da empresa. Pergunte a pessoas de sua confiança como esposa(o), filhos(as), pais, o que acham que você deve melhorar, seja na aparência, postura, clareza nas colocações, modo de se expressar, enfim, pontos a desenvolver que irão auxiliar em seu crescimento.

Vou dar um exemplo: se você é tímido(a), faça um esforço adicional e tente se posicionar em pequenos grupos, na família, em casa. Isto irá gerar autoconfiança. Você verá que no início será difícil, mas com o tempo será uma tarefa rotineira em sua vida. Depois de algum tempo de “treinamento”, você estará apto(a) a se colocar em reuniões de empresa, falar em público com segurança. Isto irá representar para você uma SUPER MUDANÇA, uma vitória com “V” maiúsculo.

Gostaria de deixar aqui algumas perguntas para que você responda após uma reflexão:

Você espera seu chefe ou sua empresa exigir de você conhecimento em outro idioma, ou sai na frente, estuda e fica pronto para quando a oportunidade surgir?

Você fica falando para todo mundo com “orgulho” que tem mais de 15 anos que não senta em uma cadeira da escola ou faculdade ou já voltou aos estudos (graduação, pós-graduação, mestrado, doutorado, cursos em geral no Brasil/ exterior)?

Você se orgulha em dizer que está há mais de 20 anos na mesma empresa exercendo as mesmas atividades? Será que isto, hoje em dia, é motivo de orgulho?

Você tem medo da palavra MUDANÇA?

Você se coloca disponível para novos desafios, novos cargos, atividades, novas cidades ou países, ou fica naquela de que não pode ficar longe dos(as) amigos(as) e familiares?

A pessoa que muda de cidade cresce, amadurece pessoalmente e profissionalmente. Sou prova viva desta situação. Eu recomendo viver alguns anos fora de sua cidade de origem; isso irá lhe fazer bem. Você irá enfrentar dificuldades de todos os tipos, mas no final tudo terá valido a pena.

A palavra MUDANÇA deve ser associada a OPORTUNIDADE de crescimento, seja pessoal e profissional. Quando você cresce profissionalmente, você terá que crescer pessoalmente para lidar com novos desafios, novas metas.

Não faça das MUDANÇAS uma tempestade em copo d’água. Veja um exemplo do dia a dia: mudança de casa ou apartamento. Praticamente 100% das pessoas que você conversar detesta o procedimento de mudança. A pessoa pode estar mudando para um apartamento triplex em um bairro da Zona Sul (em BH a zona sul é a região nobre da cidade), mas ter que encaixotar coisas para colocar no caminhão faz qualquer um perder a paciência.

Veja pelo lado positivo, quanta coisa você vai achar do enxoval que sua sogra ajudou a montar, quantos presentes de casamento, quantas baratas mortas com as patas para cima, quantas surpresas!

Tente ver a vida e as situações de uma forma positiva, considerando as mudanças como um fator positivo e alavancador de oportunidades. Não deixe passar em branco as oportunidades que a vida lhe oferece.

* Alexandre Luiz Gomes é Graduado em Administração pela PUC/MG e Pós-Graduado em Gestão Empresarial pela FGV. É Diretor da ABRH – MG (Associação Brasileira de Recursos Humanos – Seccional Minas Gerais). Trabalha atualmente na Gerência de Administração Patrimonial e Controle de Serviços – MG, da Companhia Vale do Rio Doce. É autor do livro Motivação & Criatividade no dia-a-dia e de diversos artigos publicados em jornais, revistas e sites de RH